2 de maio de 2006

ROSA MACIEL - QUEM É?


Do Ponto de Vista do PARECER e do TER

É um ser que se licenciou em Serviço Social aos 23 anos de idade no Instituto Superior de Serviço Social do Porto, tendo aí contribuído para a elaboração do método do Serviço Social Autárquico numa época em que o mesmo pertencia ao mundo dos sonhos.

Casou aos 24 anos e, por razões de índole familiar, de segurança e conforto financeiro, entre outras, quinze dias após o nascimento do seu primeiro filho ingressou no curso de Direito da Universidade Católica do Porto, onde se licenciou em Direito.

Durante o curso, porque o autoritarismo institucional, a concorrência e o individualismo predatório a fustigavam, e a fim de cultivar os níveis razoáveis de auto – estima e confiança em si mesma, frequentou os cursos de relações humanas de Dale Carnegie, interiorizando a respectiva filosofia de vida com sucesso na luta contra as preocupações.

Em 1992, quando iniciava o Estágio de advocacia, engravidou do seu segundo filho, desta vez uma menina. Entretanto, exerceu a profissão de advogada até aos dias de hoje.

Divorciou-se em 1999, altura em que iniciara a procura do reencontro consigo mesma. Vivenciou, então, o preço da autodeterminação feminina e os custos da regulação do poder paternal.

Nem sempre terá sido assertiva e, por isso entrou numa luta interior que longe ainda do real crescimento e desenvolvimento pessoal preparou, no entanto, o solo da sua inteligência e os becos das suas emoções para o florescer das zonas nobres da sua personalidade.

Houve um tempo em que percorreu os caminhos dolorosos do desencanto e da desilusão e guerreou, sem perceber nada da guerra própria do ressentimento, do criticismo e da raiva.

Entregou-se, por fim, exausta nos braços de uma violenta depressão reactiva. A mulher combativa, criativa, competente, implacável, segura, confiante, alegre, destemida vergara-se ao medo. Tudo a preocupava e assustava. A vida parecia não ter qualquer sentido. As perdas sucediam-se desde os seus entes mais queridos aos bens materiais. O modelo de referência feminino e profissional que até então preconizara cheiravam -lhe ao mofo do desgaste. E já nada a entusiasmava. A dor instalou-se insuportável. O suicídio acenava-lhe tentador mas o seu instinto de preservação dizia-lhe que é impossível desistir.

Durante um tempo entregou-se aos fármacos e à orientação psiquiátrica. Por fim a sua mente desligou e pouco ou nada se recorda dos seis meses em que só lhe apetecia dormir. Tem apenas a ideia de então vislumbrar o caos. Afastara-se dos amigos, da família, até dos próprios filhos que tanto amava. Sentia nada mais ter a fazer ou a dar.

Houve um dia, um belíssimo dia, em que consciencializou de que deixara de sonhar e que a ausência de sonhos impedia-a de sentir o pulsar da vida. Foi então assaltada por um pensamento que a assombrou “Agora só tenho amor para dar. Amor é tudo quanto posso dar!” Esta frase começou a ressoar na sua mente e depois no seu coração e constituiu um guia que a trouxe de volta ao amor dos seus filhos, da família, dos amigos mais intimos e a seguir de si mesma. Ousando sonhar que era mais do que o somatório das suas circunstâncias decidiu esperar pelo melhor e a reaprender a linguagem do coração. Deu início à leitura de matérias sobre o auto-ajuda e desenvolvimento pessoal em concomitância com as de índole espiritual. Durante mais de um ano estudou e praticou técnicas de reprogramação da mente e apercebeu-se que a mudança exterior começa pela mudança interior e que a verdadeira generosidade para com o futuro consiste em entregar tudo ao presente.

Por isso, permitiu-se perdoar o passado e perdoar-se. Passou a centrar-se no momento presente e a substituir os padrões negativos e limitativos adquiridos na infância e até aos 42 anos de idade pelos novos padrões positivos resultantes do seu mais recente aprendizado. A persistência e a consistência premiaram-na com uma mudança paulatina onde a Paz, a Alegria e o Contentamento desabrochavam em contínuo crescendo.

Em finais de Outubro de 2004, sentiu que já tinha aprendido tudo quanto podia aprender individualmente e que a partir daí precisava do Outro para continuar o seu auto-conhecimento. Por isso perguntou ao universo: “Por onde é que andam as pessoas que se dedicam ao desenvolvimento pessoal e transpessoal em Portugal?”

Após alguma pesquisa em finais de Novembro de 2004 o universo respondeu -lhe através de uma amiga de infância que lhe deu a conhecer o programa de Agentes de Ajuda do Telefono de la Esperanza, ONG Internacional, onde frequentou os cursos de Crescimento Pessoal, Comunicação e Encontro Pessoal, Agente de Ajuda e Assertividade.

Em Abril de 2005 , iniciou o Curso em Milagres, da Fundação Internacional para a Paz Interior e foi frequentando seminários e cursos na área da Psicoterapia e das Novas Terapias. Dedica-se ao Estudo e investigação da inteligência emocional e espiritual.

Seduzida e maravilhada com os benefícios da terapia de grupo e da Psicologia Interpessoal após participação nos mesmos, decidiu retomar a sua primordial vocação, aceitando o desafio de coordenar e facilitar grupos. Bem como o de sistematizar e transmitir toda a sabedoria colhida.

Durante este percurso, as janelas da sua memória abriram-se por caminhos do conhecimento sobre si mesma, sobre o Outro e, sobre o Universo, até então impensáveis e que lhe facultaram o expandir da consciência do sentido da União e da Cura.

A coragem de se aventurar no desconhecido criou-lhe a abertura à totalidade das possibilidades e à declaração da sua liberdade perante as formas de pensamentos limitativos, entre os quais os preconceitos. E, em acto de Amor para consigo própria, admitiu seguir a sua intuição que a guiou ao Tarot, ao Método de Melchizedek até ao nível Mestre kamadon, à prática de Seichim e da Mesa Radiónica.

Do Ponto de Vista do SER

A Rosa Maciel é apenas uma mulher que encontrou a sua alma e que acabou por compreender que:

• O fracasso, seja de natureza pessoal profissional ou espiritual é essencial para a expansão pessoal, permite o crescimento interior e traz-nos um sem número de recompensas psíquicas;
• Todos os acontecimentos têm uma finalidade e todos os obstáculos uma lição;
• Cada ser humano é uma realidade única, irrepetível e portadora de um potencial ilimitado;
• Nunca perdemos nada nem ninguém porque o essencial permanece imutável nos nossos corações e na unicidade;
• Todo o sucesso da vida começa pelos pensamentos que enfiamos na mente;
• Todos podemos mudar os nossos pensamentos e a qualidade das nossas vidas;
• Aquilo que pensamos cria a nossa realidade e o modo como vivemos;
• Todas as escolhas na vida resumem-se a uma só; Amor ou Medo.
• A paz interior é um reflexo da opção pelo Amor.
• Nós somos amor.

"Eu Encontrei a minha Alma porque escolhi o Amor e perseverei na minha escolha"(RM).

5 comentários:

Albina disse...

Bonito texto, belissimo percurso e grande investimento a vários níveis.
Bem haja!
Um beijo!
Maria Albina

Rosa Maciel disse...

Obrigada por teres ajudado no percurso. Abraço. Rosa :~)

Ana disse...

Olá Rosita,
o texto está lindíssimo. Também não se pode esperar menos de ti :)
Um abraço de uma amiga q se sente privilegiada por estar a ver-te (re)nascer!

Ana disse...

Olá Rosita,
o texto está lindíssimo. Também não se pode esperar menos de ti :)
Um abraço de uma amiga q se sente privilegiada por estar a ver tudo isto!

Rosa Maciel disse...

obrigado Ana. A tua presença na minha vida inspirou as primeiras gotas de Orvalho da nova aurora que me devolveu a enocência. Aquele Abraço. Rosa:~).